Jin Líng Shí San Chai

The Flowers of War
As Flores da Guerra


Realizador: Yimou Zhang
Ano: 2011
Género: Drama, Histórico e Guerra.

Imdb
Trailer
Site Oficial


"Last night you were a drunken bastard but today you are a hero."

Yimou Zhang, realizador famoso, conhecido por obras como Hero, apresenta a sua nova obra, um épico histórico passado nos primeiros tempos da 2ª guerra mundial.

O filme, baseado em factos verídicos, conta a história da ocupação Japonesa na cidade de Nanking  e a tentativa de fuga de um conjunto de mulheres escondidas numa igreja.

Não tendo acompanhado a carreira do realizador, entrei para o filme sem nenhuma expectativa, devido a estes géneros não serem os meus de eleição. A única coisa que me despertava algum interesse seria a interpretação de Christian Bale. Estava até algo apreensivo, por achar que ia estar na presença de um drama pesado e massudo (nada contra esse tipo de dramas, simplesmente não gosto deles), mas devido a não haver mais nenhum filme a começar por aquela altura resolvi arriscar.

E como eu estava enganado...

O filme não perde tempo e faz-nos entrar logo na acção com uma cena bastante violenta graficamente. Aliás, uma das surpresas do filme foi o seu carácter violento, não poupando os espectadores a cenas mais fortes. Mas não se pense que o filme tenta agarrar o espectador com a violência, pelo contrário, a violência apenas serve como ajuda para se entender (e por vezes não entender) o comportamento e acções das personagens que se vêm envolvidas no meio desse inferno.

Além da violência física, o filme apresenta-nos também a chamada violência psicológica com cenas e acções por parte de personagens que com o passar da narrativa vai nos custar mais a aceitar, podendo ser algo desgastante para as pessoas mais sensíveis.

Visualmente bastante bem conseguido, neste capitulo o filme falha apenas nas suas poucas cenas em que usa CGI (os efeitos de computador parecem de à 5 anos atrás), embora devido a serem muito pouco utilizados não tira nenhum brilho ao mesmo.

Falado em mandarim e inglês, este facto dá ao filme outro toque de realismo ajudando o espectador a investir mais na narrativa.

Todos os actores que participaram no filme tiveram interpretações bastante sólidas ajudando também para nos envolver na história. Quanto ao único actor que conheço (acredito que alguns dos restantes também são bastante conhecidos), Christian Bale apresenta uma interpretação bastante segura, sobressaindo ligeiramente em relação ao restante elenco (embora em algumas cenas ficava na dúvida se não estava na presença de uma cena cortada do The Dark Knight Rises, tal era a similaridade de interpretação por parte do actor).

Para finalizar, este é um filme bastante bom e que mostra novamente que existe vida para além do cinema de Hollywood. Visualmente bastante bom, não tem medo de percorrer caminhos que a maioria dos filmes americanos não percorre e de deixar, não pontas soltas, mas partes da narrativa por explicar, fazendo com que o espectador saía da sessão com algum desconforto e a ideia de que por vezes não é possível saber todas as consequências de acções tomadas.


Pontos fortes:
  • Interpretação dos actores;
  • Narrativa;
  • A prova (mais uma) que nem só de Hollywood vem grande cinema.

Pontos fracos:
  • Passar despercebido no circuito comercial português.
Posters: