The Hunger Games


Os Jogos da Fome



Realizador: Gary Ross
Ano: 2012
Género: Acção, Drama, Ficção Cientifica e Thriller.
Trailer
Site Oficial



"They just want a good show, that's all they want."

Na altura que ouvi falar sobre o filme, o conceito pareceu-me interessante embora não fosse muito original (Battle Royale já tinha realizado um conceito idêntico, por exemplo). Independentemente disso, fiquei com bastante curiosidade para ir ver este potencial novo blockbuster.
Com a evolução do filme, fui ficando cada vez mais apreensivo, porque parecia-me que estavam a aproximar-se perigosamente das premissas usadas e abusadas pela saga Twilight. Assim, na altura da estreia tinha perdido grande parte da curiosidade original para ir ver o filme. Mas, após ver criticas bastantes favoráveis e uma pontuação muito interessante na bíblia de cinema da internet (embora isso muitas vezes não queira dizer nada), resolvi dar uma hipótese ao filme (no pior dos casos seria 2 horas e 6,50€ que não iria recuperar).
Para quem nunca ouviu falar do filme, este é baseado nas obras de sucesso de Suzanne Collins, e conta a história de um futuro onde uma vez por ano um grupo de jovens é obrigado a lutar até à morte num jogo conhecido como Jogos da Fome. Na verdade, a história não é assim tão simples, mas para evitar spoilers vou evitar adiantar mais e também porque embora não tenha lido nenhum dos livros, parece-me que neles o conceito está melhor explorado (sendo esta aliás uma das falhas do filme).
Sobre o filme em si, saí da sessão com o chamado sabor agridoce (cliché muito utilizado e que fica sempre bem) que passo a explicar. Para começar, a forma de filmar pareceu-me muito nervosa e com demasiados closeup aos actores fazendo com que se perdesse detalhes. A maioria das personagens não teve um grande desenvolvimento, o que fez com que não tivesse minimamente interessado com o que poderia acontecer com elas e abusaram muito no chamado factor romântico do filme.
Os cenários e caracterização são bastantes bons e o elenco faz um bom trabalho (gostei especialmente da interpretação do actor Woody Harrelson e do carisma do cantor/actor Lenny Kravitz).
Para terminar, e frisando mais uma vez que não li nenhuma das obras e por isso não sei o quanto está rigoroso com a mesma, mas partindo do princípio que está minimamente, o filme não deve desiludir os fãs da obra e é suficientemente interessante para os restantes espectadores (houve partes em que tive realmente "agarrado" à história).

Pontos Fortes

  • Cenários;
  • Caracterização;
  • Elenco.

Pontos Fracos

  • Demasiado romantizado;
  • Maioria das personagens pouco desenvolvidas.



Posters: